Antes de assistir ao filme “Baghead: A Bruxa dos Mortos“, minhas expectativas eram bastante baixas. O título do filme não parecia muito atraente e eu pensava que seria apenas mais um filme de terror genérico lançado diretamente em vídeo. No entanto, fiquei surpreso ao descobrir que o filme é interessante e bem produzido.

Baghead (2023) on IMDb
Bruxa dos mortos

Crítica do filme ‘Baghead: A Bruxa dos Mortos’

Existem vários pontos interessantes a serem explorados no filme. A premissa de um bar assombrado e amaldiçoado é bastante original, trazendo uma nova localidade para o gênero de terror. Além disso, a manipulação da bruxa sobre a protagonista e a relação entre as duas personagens trazem uma dinâmica interessante para a história.

É importante ressaltar a importância de assistir ao filme antes de assistir a este vídeo, pois há spoilers ao longo da discussão. O filme conta a história de Iris, uma garota que herda uma propriedade do seu falecido pai e acaba se tornando a guardiã de uma bruxa malévola. A trama se desenvolve com a manipulação da bruxa sobre Iris e as consequências dessa relação.

Em resumo, “Baghead: A Bruxa dos Mortos” foi uma grata surpresa para mim. Apesar das expectativas baixas, o filme se mostrou interessante e bem produzido, com pontos que podem ser explorados e discutidos. Portanto, recomendo assistir ao filme antes de conferir este vídeo para uma experiência completa.

Enredo

A história de Iris e sua herança

A maldição da bruxa e a vida de Iris

A oportunidade de ver a esposa morta

O pacto com a bruxa

A participação do advogado

O recomeço de Iris e as consequências.

Personagens

A amiga Kie como voz da razão

A estupidez de Iris ou sua manipulação pela bruxa

A importância da amiga como personagem secundária

A falta de empatia pelo protagonista

A amiga Kie desempenha um papel crucial no filme como a voz da razão para Iris. Ela constantemente alerta Iris sobre as consequências de suas ações e tenta dissuadi-la de se envolver com a bruxa. Kie é a amiga leal e preocupada que busca proteger Iris do perigo iminente. Sua presença no filme demonstra a importância de ter alguém que nos guie e aconselhe quando estamos em situações difíceis.

Por outro lado, podemos interpretar a estupidez de Iris como uma característica que a torna vulnerável à manipulação da bruxa. Sua esperança desesperada por uma nova oportunidade e sua falta de empatia pelo perigo iminente a levam a tomar decisões impulsivas e arriscadas. Essa estupidez pode ser vista como uma fraqueza que a bruxa aproveita para manipulá-la e controlá-la.

A amiga de Iris desempenha um papel importante como personagem secundária. Embora não seja o foco principal da história, Kie traz equilíbrio e perspectiva à narrativa. Ela serve como contraponto à estupidez de Iris e nos mostra a importância de ter amigos que nos ajudem a tomar decisões mais sensatas. Sua presença também adiciona profundidade aos relacionamentos e à dinâmica entre os personagens.

Por fim, o filme falha em criar empatia pelo protagonista. A estupidez de Iris e sua falta de discernimento nos impede de nos conectarmos emocionalmente com ela. Em vez de torcer por seu sucesso, somos deixados frustrados e desapontados com suas decisões. Essa falta de empatia pelo protagonista afeta nossa experiência como espectadores e diminui o impacto emocional do filme.

Premissas e potencial do filme

O filme “Baghead: A Bruxa dos Mortos” apresenta diversas premissas interessantes que podem ser exploradas e discutidas. Entre elas, destacam-se:

A localidade do bar como nova abordagem:

O filme traz uma nova abordagem ao escolher um bar como o cenário principal. Essa localidade traz uma atmosfera única para o gênero de terror, fugindo dos clichês de casas assombradas e adicionando um aspecto diferente à trama.

A mitologia da bruxa e as possibilidades de sequências:

A mitologia da bruxa apresentada no filme é fascinante e possui potencial para ser ainda mais explorada. A história da bruxa, sua maldição e seu poder de ressuscitar os mortos abre caminho para possíveis sequências, expandindo o universo do filme e aprofundando os personagens.

A crítica velada ao patriarcado e à opressão das mulheres:

Uma leitura interessante do filme é a crítica velada ao patriarcado e à opressão das mulheres. Ao longo da história, percebemos que a bruxa foi usada e abusada por homens ao longo dos séculos, e a protagonista, Iris, é a primeira guardiã mulher em mais de 400 anos. Essa dinâmica traz à tona questões sobre o poder e a resistência feminina.

A falta de aprofundamento na história e nas assombrações:

Apesar das premissas interessantes, o filme peca ao não aprofundar o suficiente na história e nas assombrações presentes no bar. Além disso, algumas cenas se repetem e a trama acaba sendo um pouco corrida. Seria interessante explorar mais as assombrações e o porão onde a bruxa reside, adicionando mais camadas à narrativa e aumentando a tensão do filme.

No geral, “Baghead: A Bruxa dos Mortos” apresenta um potencial promissor, com suas premissas originais e sua mitologia cativante. Apesar de alguns pontos a serem aperfeiçoados, o filme desperta o interesse do espectador e deixa espaço para futuras sequências e discussões sobre temas relevantes.

Aspectos técnicos

Os aspectos técnicos do filme “Baghead: A Bruxa dos Mortos” são dignos de nota. A atuação dos personagens é bastante convincente, trazendo vida e profundidade às suas interpretações. Destaco especialmente a amiga Kie, que desempenha um papel crucial como a voz da razão para a protagonista Iris. Sua lealdade e preocupação em proteger Iris do perigo iminente são palpáveis e contribuem para o desenvolvimento da trama.

Além disso, o filme apresenta uma previsibilidade nas ações dos personagens. Desde o início, é possível antecipar algumas das escolhas que serão feitas, o que diminui um pouco o impacto das reviravoltas da história. No entanto, isso não compromete totalmente a experiência, pois as atuações e a dinâmica entre os personagens compensam esse aspecto.

Outro ponto a ser destacado é a falta de exploração da locação do bar. Embora seja uma premissa interessante trazer um bar assombrado como cenário principal, o filme não aproveita totalmente esse ambiente. As assombrações presentes no bar poderiam ter sido mais exploradas, adicionando mais camadas à narrativa e aumentando a tensão do filme.

Por fim, o ritmo do filme é acelerado e as cenas são resolvidas rapidamente. Isso pode deixar o espectador com a sensação de que algumas situações não foram devidamente desenvolvidas. Seria interessante dedicar mais tempo para a história e as assombrações presentes no bar, aprofundando ainda mais a trama e criando um clima mais intenso.

Final e reflexões

O final infeliz e previsível do filme

A interpretação da relação entre a bruxa e a guardiã

A crítica à sociedade patriarcal

As possíveis sequências e o potencial do filme

Conclusão

Em conclusão, “Baghead: A Bruxa dos Mortos” foi uma grata surpresa para mim. Apesar das minhas expectativas baixas, o filme se mostrou interessante e bem produzido, com aspectos que podem ser explorados e discutidos. A premissa de um bar assombrado e amaldiçoado como cenário principal traz uma nova abordagem ao gênero de terror, fugindo dos clichês de casas assombradas.

A relação entre a protagonista Iris e a bruxa traz uma dinâmica interessante para a história, explorando temas como manipulação e poder feminino. A presença da amiga Kie como a voz da razão para Iris ressalta a importância de ter alguém que nos guie e aconselhe em situações difíceis.

No entanto, o filme apresenta alguns pontos negativos. A falta de aprofundamento na história e nas assombrações presentes no bar deixa o enredo um pouco superficial. Além disso, algumas cenas se repetem e a trama acaba sendo um pouco corrida, deixando espaço para um maior desenvolvimento.

Apesar disso, “Baghead: A Bruxa dos Mortos” apresenta um potencial promissor. As premissas originais e a mitologia cativante do filme abrem caminho para possíveis sequências e discussões sobre temas relevantes, como o papel da mulher na sociedade e a resistência feminina.

Recomendo assistir ao filme antes de conferir esta crítica para uma experiência completa. E se você gostou deste vídeo, não deixe de conferir outras críticas disponíveis em nosso canal. Inscreva-se e ative o sininho para receber notificações de novos conteúdos.

Tags:

Ainda não há comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *